checklist-1402461_1920

Ao que tudo indica, muitas são as pessoas que conseguem lidar com diferentes funções durante o dia, alguns até em áreas distintas. Entretanto, o que poderia ser um bom negócio para quem gerencia o condomínio – com funcionários multitarefas – acaba por virar um grande problema, pois a situação pode acarretar contratempos com a justiça.

Desvios de funções e atividades são ainda muito comuns em empreendimentos, principalmente para edilícios menores e com poucos trabalhadores. Mas afinal, o que é considerado desvio de função? Diferente do acúmulo, essa ação acontece quando um funcionário é contratado para exercer um cargo, mas acaba por exercer outro totalmente diferente, porém não é beneficiado ou pago pela atividade; já o acúmulo de função é designado quando o funcionário é contratado, mas exerce ofícios distintos, mas com a mesma carga horária e com ações extras variadas.

Não é apenas em edifícios que esse caso acontece, mas, também, em diversos departamentos em que o desvio e acúmulo de função ainda ocorre.

 

De acordo com o artigo da Lei do Trabalho 483: O empregado poderá rescindir contrato e pedir a devida indenização quando:

a) Forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;

b) For tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;

c) correr perigo manifesto de mal considerável;

d) Não cumprir o empregador as obrigações do contrato;

e) Praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;

f) O empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

g) O empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.

 

Atividades de cada área

Faxineiro: É o responsável pela limpeza e higiene do local. É o profissional que retira os lixos, assim como o recolhimento dos materiais recicláveis.

Porteiro: Tem o cargo de controlar quem entra e quem sai (morador, funcionários ou visitantes) e também é responsável por entregas e correspondências.

Vigia: É normalmente um guarda que deve garantir a segurança no local.

Zelador: O zelador tem como função guardar o patrimônio, monitorando as áreas do condomínio e fazendo pequenos reparos.

Existem outras ocupações no condomínio, como jardineiro e segurança, que não devem ser confundidas e deixar que se realize sem obrigatoriedade.

Os profissionais podem ser contratados pelo condomínio ou, apenas, terceirizados, ficando a escolha do condomínio.

É preciso que cada empregado se mantenha em “seu quadrado”, pois a prática da do exercício pode gerar problemas ao empreendimento, principalmente se o valor da performance não é pago. Contudo, para fugir dessa situação, é preciso que o funcionário avalie a forma que o edifício trabalha, e só se candidatar a vaga após analisar com atenção o perfil solicitado. O condomínio deve procurar um profissional que supra as necessidades do local. Se é necessário um porteiro, por qual motivo contratar um zelador? Dessa maneira, é válido avaliar a forma de trabalho sem passar por cima de leis e normas.